Não devo ter percebido bem…

Ouçam lá, moços e moças:

Eu bem sei que todos nós temos uns umbigos muito perfeitinhos, mas… então vocês acham que o Álvaro Cunhal precisa, para alguma coisa, de ser defendido do Renato?

Ou, já agora, de algum de nós?

É que eu ouvi dizer que, algures à volta dos blogs, há uma tal de coisa que se chama mundo.

E parece que é maningue big.

Advertisements

About zenuno

http://despauterio.net
This entry was posted in 5dias. Bookmark the permalink.

14 Responses to Não devo ter percebido bem…

  1. Xiconhoca says:

    Essa do maningue está porreira..

  2. samuelquedas says:

    🙂 🙂 🙂 Boa malha!

  3. Eu acho que eles fizeram mal em sair. Só estão a dar importância, a quem não a tem.

  4. samuelquedas says:

    Ainda assim, por vezes pergunto-me se, muito para lá duma estóica vontade de exercer um alucinado “convívio pluralista”, alguns (ainda) elementos desta casa não têm, na verdade, um gravíssimo problema de olfacto. É que só isso pode justificar, pelo menos nalguns dias, o convívio com certos crom@s que aqui se dedicam a, descaradamente, provocar os restantes companheiros de blog, nem que seja necessário recorrer às afirmações mais sórdidas, como é o episódio de um garoto qualquer (que não conheço) que se dá ao desplante de aqui denunciar Cunhal como DELATOR.
    Não há limites para a falta de vergonha nas trombas?

    • De says:

      Parece que não

    • Nuno Cardoso da Silva says:

      Só se ofende com eventuais insultos a Cunhal quem idolatra Cunhal. Mas idolatrar alguém já é manifestação de inferioridade moral e intelectual. Podem-se admirar ou respeitar pessoas, mas elevá-las à posição de ídolos, de profetas, de oráculos, é sinal de incompetência intelectual, de subserviência, de perda de sentido crítico. Cunhal era um gajo que fez coisas boas e coisas más, que teve manifestações de carácter e manifestações de falta de carácter, que disse algumas coisas certas e disse outras coisas erradas, que por vezes teve razão e por vezes não teve. Como qualquer outra pessoa. Beijar o chão que ele pisou e rasgar as vestes em indignação a qualquer ofensa real ou imaginária, é um triste espectáculo a que se não devia assistir no mundo da política e das ideias.

      • samuelquedas says:

        Ah… sim, Nuno? E você pensou isso tudo pela sua cabeça, ou leu numa T-shirt?

        Esse tipo de discurseta redonda tipo era preto e era branco, era quente e era frio, era bom e era mau… talvez fique bem numa letra do João Pedro Pais, mas para responder ao que eu, DE FACTO, escrevi … é um bocadito triste. 🙂

      • Nuno Cardoso da Silva says:

        A resposta era tão adequada que não foi capaz de a refutar. Fica a rábula, que é o refúgio dos derrotados.

      • samuelquedas says:

        Não se arme em “saliente”! Como assim não refutei?
        Disse que essa sua discurseta redonda disfarçada de oximoro minimal repetitivo e TUDO o que continha não valia um traque!
        Não chega como refutação? Se precisa de um desenho… paciência! Não sei desenhar! 🙂 🙂 🙂

      • paulogranjo says:

        Pessoal: vamos a ter calma no conteúdo e linguagem dos comentários.

        Aliás, sugiro humildemente que deixem esta discussão particular por aqui, pois parece evidente a quem está de fora que ela já não leva a lado nenhum.

      • samuelquedas says:

        Toda a razão, Paulo Granjo… mas por vezes os comentários sonsos provocam-me surtos de brotoeja… 🙂 Felizmente, são passageiros!
        Saudações.

  5. Caetano says:

    Vamos lá ver se a gente a gente se entende, eu suponho que os autores do 5 Dias escrevem para ser lidos, mas será só pelos coautores? Suponho que não. Têm caixa de comentários activa, suponho que a outras participações, ao contraditório, igualmente suponho. Mas será mesmo assim? Esmiucemos, a amiga, companheira, camarada de luta, a senhora doutora Raquel Varela aceita o contraditório, por mais polido que seja? A experiência pessoal diz-me que não. Sendo um blogue colectivo, virado para muito mais longe do que o umbigo dos seus autores não deveria primar pela seriedade dos escritos aqui diariamente expostos? Como leitor recente deste blogue é isso que dele espero, melhor dito, esperava. Se eu quiser ler a Rubra ou o Avante vou aos respectivos sites, aqui espero, melhor dito, esperava, outra coisa. Ser surpreendido com o epiteto de “bufo” (delator) a Álvaro Cunhal, não estava mesmo nada à espera. Tem razão, Álvaro Cunhal não precisa, para alguma coisa, de ser defendido do Renato, mas as minhas meninges precisam.

  6. Kasky says:

    Por questões de mera utilidade, tenho muita pena, era-me prático passar por aqui, por ser isso que não o avante sempre acessível… e como por convicção não ponho os pés nos facebooks (e essas merdas) escapavam-me sítios por onde apanhasse alguma dicussão útil.

    Mas é mesmo verdade, já não tenho paciência para anti-comunismo, nem primário nem do tipo mais sofisticado. Este episódio com o centenário do camarada é só isso… mais um episódio.

    Apoio a decisão de quem prefere ficar, mas acho que quem decidiu deixar aqueles dois obtusos a falar sozinhos fará melhor uso do seu tempo. E do meu! Espero é que deixem saber para onde irão fazer inferno, porque isto de uns blogs isolados tem menos piada.

  7. Pingback: Umas dicas de interpretação histórica e textual (1) | cinco dias

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s