Elementos para reflexão, a caminho de um balanço e perspectivas I

Da necessária reconfiguração da tese/conceito da “confluência dos rios”

Em tribunal, Joaquim admitiu que, depois do desfile da CGTP, tirou e escondeu o colete da central sindical e juntou-se à fileira dos manifestantes mais violentos – ele que estava incumbido pelo sindicato de afastar os anarquistas que tentassem infiltrar-se na manifestação. À juíza, disse que atirou as pedras “de mansinho” contra os escudos, não contra os agentes, alegando não ter consciência do que fez – sendo certo que o facto de ganhar pouco (150 euros de pensão de invalidez) contribuiu para a sua atitude.

Daqui.

Advertisements

About zenuno

http://despauterio.net
This entry was posted in 5dias and tagged , , , , . Bookmark the permalink.

8 Responses to Elementos para reflexão, a caminho de um balanço e perspectivas I

  1. Argala says:

    “Confluência dos rios”, união entre um sector antigo, com vínculos e sindicalizado, e um outro jovem, precário e inorgânico. A união faz-se na luta concreta, e não na luta metafórica. União quando um jovem licenciado e desempregado vai ajudar a ocupar uma fábrica e a bloquear a saída da maquinaria; união quando electricistas de carreira ajudam jovens a fazer o bypass para terem electricidade nas casas ocupadas; união quando a juventude utiliza os seus conhecimentos em informática e electrónica para participar activamente nas greves através de acções de sabotagem; união quando vemos a juventude nos piquetes de greve; união quando se criam fundos de greve com formas de financiamento solidárias, para que os jovens precários sintam que a Confederação tem instrumentos que permitem lutar por um posto de trabalho com direitos. União na luta concreta, não é união para excursões e pic-nics.

    Estamos longe da “confluência dos rios” porque ainda nem sequer existem rios. Ainda não começámos a luta, e já se faz tarde..

    Cumprimentos

  2. Rocha says:

    Estou enojado com a defesa da constituição que temos vindo a fazer nos últimos tempos. Estou farto da puta da “legalidade democrática”. De que valem papéis molhados e palavras vazias que se violam todos os dias? E como pode haver gente suficientemente estúpida e ingénua entre aqueles que deviam ser vanguarda que ainda acredita que os chumbos do Tribunal Constitucional serão mais do que um episódio passageiro que o PS e PSD sob ordens do patronato depressa ultrapassarão? Fodasse basta eles quererem e escrevem uma constituição nova do género do Estado Novo ou da constituição europeia que ainda é mais nazi. Estamos a defender os restos dos restos. Dá me a impressão que estamos apenas a ganhar tempo, quando o tempo joga todo a favor da burguesia, estamos a ganhar tempo para apodrecer, para prolongar a agonia. E chamamos a esta porra de esperança??? A esperança nunca existe para quem está de joelhos.

    Estes camaradas e companheiros que perderam a paciência têm pelo menos a virtude de não quererem morrer de podre e em silêncio. Falta-lhes estratégia é certo, mas por acaso há estratégia nos que defendem a puta da legalidade ordeira? Claro que não.

  3. Argala says:

    P.S. Obviamente que me quero solidarizar com o Joaquim, porque na acção concreta ele mostrou que os rios devem confluir para a luta e não para o marasmo institucional.

    Da próxima vez talvez o Joaquim se possa lançar à pedrada contra a polícia com o colete vestido, e esse colete sirva, não para impedir a confluência dos acratas e demais gente perigosa, mas para os proteger a eles e todos os que estão do nosso lado da barricada. Da próxima vez, assim que os trabalhadores debelarem e expurgarem o vírus do reformismo que infecta a central sindical.. é preciso limpar a casa e expulsar os ratos..

  4. proletkult says:

    Um provocador-esquerdista-pequeno-burguês a fazer o mesmo que o Durão Barroso nos tempos do PREC.Além de que está a contribuir directamente para a subida de popularidade do governo.

  5. Argala says:

    Os sinais estão todos aí.
    A nova formação do IRA retomou as operações militares em ataques com granadas a várias patrulhas e envio de cartas armadilhadas, sendo que uma delas obrigou à evacuação do Castelo de Stormont.
    Na Grécia passou-se à eliminação física de fascizóides.

  6. Pingback: Elementos para reflexão, a caminho de um balanço e perspectivas II | cinco dias

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s