Pressente o Presente (acabou o tempo de abanar as mãozinhas)

2013-06-12-03-28-032013-06-12-03-28-292013-06-12-02-40-232013-06-11-22-54-242013-06-11-22-56-45998256_292825407521561_1849935030_n2013-06-11-23-01-212013-06-11-23-01-59

Os acontecimentos de Taksim, Tahrir, Sintagma, Sol, Wall Street, Rossio ou São Bento, são todos muito diferentes, mas têm todos uma lição em comum na devida proporção da sua escala. Independentemente das aspirações que encontra a resposta do poder é sempre a repressão. Encontra desempregados,  repressão. Encontra reformados, repressão. Encontra sindicalistas, repressão.  Encontra cidadanistas, militantes ou activistas,  repressão. Encontra organizados ou individualistas, repressão. Encontra estudantes,  professores,  aprendizes e operários,  repressão. Encontra pacifistas, desobedientes ou peticionistas, repressão. Dos mais novos aos mais velhos, repressão. A espiral da violência é alimentada a medo até ao dia em que a resistência perceba que estas praças são verdadeiras trincheiras de guerra. Nesse dia, que já se pressente, não lhes vão chegar todas as balas. A generalização da cegueira repressiva e a globalização do fascismo austeritário, farão com que o que até agora tem sido uma resiliência ordeira tenha como única possibilidade a resposta armada. Os que escreveram as leis serão os primeiros a infringir as suas regras, a suspender a liberdade e a decretar o Estado de Sítio. Quem ainda delire com a maturidade democrática, do Estado Social ou do Estado de Direito, que se desengane,  caso contrário não vai estar preparado para o Futuro. Da guerra social a que submeteram os povos só uns sairão vencedores e se o niilismo perdurar sabemos bem quem ficará pelo caminho.

Mais fotografias aqui. Directo de Taksim aqui.

Advertisements

About zenuno

http://despauterio.net
This entry was posted in 5dias. Bookmark the permalink.

One Response to Pressente o Presente (acabou o tempo de abanar as mãozinhas)

  1. JgMenos says:

    Cidadanistas?
    «Por cidadanismo entendemos em princípio uma ideologia cujos traços principais são 1) a crença de que a democracia é capaz de se opor ao capitalismo 2) o projecto de reforçar o Estado (ou os Estados) para pôr em marcha esta política 3) os cidadãos como base activa desta política.»
    Adeus vanguarda operária…não deixas saudades!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s