Jovem participante em projectos sociais voluntários foi esfaqueado por engano, numa escola da Amadora

 

Regressado ontem à noite de uma conferência em Espanha, não acompanhei o que foi dito nos meios de comunicação social acerca de Lenine Sanches, o jovem esfaqueado numa escola da Amadora.
Fiquei a saber, por um meu doutorando e amigo, da enorme revolta que a versão policial posta a circular suscita em todos os que o conheciam.
E alguns dados acerca dele e das circunstâncias da sua morte.
Esse jovem de 20 anos, pai de uma criança com menos de 2, pertencia ao grupo de capoeira Ginga Brasil e estava ali para participar num projecto voluntário de integração social de crianças e jovens.
Foi morto por engano e pelas costas, confundido com outra pessoa, apanhado de surpresa no meio de um acerto de contas com o qual não tinha nada a ver.
Jovem, de origem cabo-verdiana e, “portanto”, criminoso, a polícia tratou com desprezo o seu corpo e cobriu de suspeitas quem o foi levantar.
Pelo país fora, as comunidades de capoeira estão de luto. E querem prestar-lhe homenagem.
Para que conste.
Advertisements

About zenuno

http://despauterio.net
This entry was posted in 5dias. Bookmark the permalink.

6 Responses to Jovem participante em projectos sociais voluntários foi esfaqueado por engano, numa escola da Amadora

  1. kur says:

    E o dr. Duarte lima o que é,oh bófia protetora de ladrões,de assassinos de alto calibre????

  2. mbelchior says:

    Muito obrigada pela partilha. Vou divulgar. Abr.

  3. Tima says:

    É uma pena que para ilustrar a história se tivesse que recorrer a uma reportagem da televisão igreja universal do reino de deus mas se até o Público durante anos distribui com o seu jornal a revista Plenitude que também é desta seita o que dizer…
    Mas de facto quer a história de ter sido morto por “engano” quer ter sido morto por um par de óculos é muito pouco credível. O que me espanta é como tanto “jornalista” dedicado a investigações e matérias criminais e ninguém vá atrás desta história e conhecê-la a fundo. Os gangues estão aí e não adianta tapar o Sol com a peneira.
    Seja de que forma for o homicídio é totalmente condenável e inaceitável e espero que a polícia além do trabalho vergonhoso de ter deixado o corpo descoberto por várias horas não acabe também por se borrifar para encontrar o homicida.

    • paulogranjo says:

      Foi a única televisão que apareceu nessa conferência realizada no ICS, há quase 2 anos atrás. E as únicas imagens que encontrei onde quem não conheça possa ficar a saber o essencial do único “gang” a que o Lenine pertencia.

      Independentemente do que tenha passado pela cabeça dos assassinos, ele só estava ali para e preparação de uma acção junto das crianças de uma escola, que se iria realizar na manhã seguinte. Isto, é um facto que me é repetido por pessoas que me merecem total confiança e que são, elas próprias, organizadores dessas actividades.
      Imagino que, quer os gangues “estejam aí” ou não, não seria essa a ilacção que você, a polícia e os jornalistas tirariam de imediato, caso se tratasse de um escuteiro louro, à espera de colegas para prepararem uma recolha alimentar…

      Usou-se uma mera equação JOVEM+PRETO+ASSASSINADO=GUERRA DE GANGS
      De caminho, aplicou-se a equação JOVEM+PRETO+POBRE=CRIMINOSO a um homem socialmente responsável e empenhado que, em mais novo, utilizou a capoeira para combater a sua marginalização e discriminação e que, agora, retribuia essa oportunidade, estendendo-a gratuitamente a crianças de várias zonas – como tinham feito, semanas atrás, numa escola de Carnide.
      Mesmo que, em vez disso, se tratasse de uma pessoa que só olhasse para o seu umbigo, seria cuspir nela depois de morta.
      Tratando-se de uma pessoa com as características dele, compreendo totalmente o sentimento de revolta e repúdio dos seus colegas e amigos – sentimento que partilho e, julgo, qualquer pessoa decente será tentada a partilhar, depois de mandar às urtigas equações racistas e estereótipos.

      Mas numa coisa estamos certamente de acordo.
      Mesmo que se tivesse tratado, em vez disto, de uma luta de gangs, seria inaceitável que a polícia assobiasse para o lado ou, mesmo, esfregasse as mãos – porque “é menos um”.

      • Tima says:

        Paulo! Eu não estou a dizer que o Lenine pertencesse a um gangue. Estou apenas a dizer que pode perfeitamente ter sido assassinado por membros de um. A razão? É para ser investigada. Mas acho que se deve investigar e controlar a existência de gangues. Eu já aqui abertamente falei com um outro bloguista da casa sobre o que são na realidade parte dos ginásios de Jujitsu na Margem Sul e o que são os de Krav Maga. Uns contratam criminosos para fazer extorsão em estabelecimentos de diversão nocturna e outros captam militantes de extrema-direita. Os de Capoeira espero que não andem metidos nestas andanças. Mas não estão livres de poder conter nos seus grupos maçãs podres. Neste caso há um homicídio. Dado poder envolver gangues deve ser ainda mais aprofundada a investigação. E com isto não estou a dizer que o Lenine fosse de algum. Mas desde a 1ª hora os atacantes foram identificados como tal. E é isso que tem de ser fortemente investigado e combatido. Acho adicionalmente bem que este processo tenha saído das brigadas de investigação criminal da PSP e tenha sido entregue à PJ.

  4. rita claro says:

    Ginásios de Jujitsu ou Krav Maga não têm NADA a ver com o trabalho desenvolvido pelas associações de capoeira. Muito menos com o trabalho especifico, sério,de carácter educativo e social que é desenvolvido pela associação de Capoeira da qual o jovem fazia parte.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s