Quem e porquê promove o desemprego?

O Martim não teve o monopólio da ignorância, naquele que já é, seguramente, o debate do Prós e Contras mais discutido dos últimos tempos. No vídeo acima, tal e qual como escreve a Marta Madalena Botelho, do P3, fica claro que “empreendedores há muitos, humanistas é que nem por isso”. Chapeau!

Advertisements

About zenuno

http://despauterio.net
This entry was posted in 5dias. Bookmark the permalink.

23 Responses to Quem e porquê promove o desemprego?

  1. No meio desta treta toda de quem é (ou deixa de ser) «culpado do desemprego», «demagogo» e não sei que mais (…) e a óbvia instrumentalização de um «jovem empreendedor» o que acho mais interessante e significativo é que não vi – culpa minha, tenho estado fora – uma única referência àquela ideia popular de que «uma andorinha não faz a primavera».
    Que é como quem diz, o exemplo de «um jovem empreendedor («good for him») não representa qualquer espécie de solução para qualquer comunidade nacional (vulgo, “país”)».
    São os chamados erros (ou falácias) de composição…
    Talvez seja filosofia a mais para programas de TV…
    Cana de pesca, procura.se…

    • Uma andorinha não faz a primavera,mas!!! as GRANDES EMPRESAS começaram com uma “ANDORINHA”. Não queiram cortar as asas a uma andorinha.

      • Andorinha. Acho que foi o piropo mais janota que vi dirigido ao jovem empreendedor. Quando quiser voltar à realidade diga-me lá então onde está a primavera. É que além do negócio ter a perna curta, a ideologia do mal menor já foi tendo mais gaivotas.

  2. Quem promove o quê não sei que não estou no mundo dos negócios mas gostava de saber se isto é verdade: Ora leiam sff.

    No Blasfémias
    Raquel escreve a Martim
    by jcd
    Ainda sobre o tema do dia de ontem, Martim e Raquel, os serviços de informação do Blasfémias interceptaram um email que aqui publicamos. Por ser impossível verificar a sua autenticidade, desde já pedimos desculpa se isto se tratar de alguma brincadeira.

    To: Martim Neves [sevenmartin@over-it.com]
    From: Raquel Varela [rvarela@me.com]

  3. says:

    Vocês levantam o moral dum gajo. É só rir à gargalhada!!!

  4. JgMenos says:

    «Este patronato – que está a aumentar os seus lucros à custa da miséria dos trabalhadores – vai ser destruído pela concorrência das inúmeras cooperativas que estão a ser criadas para aproveitar esta nova oportunidade nos mercados.»
    Se fosse verdade, não só a análise da Raquel era correcta como a ideologia que perfilha tinha adeptos com outra apetência que não a de serem funcionários públicos.

  5. Dédé says:

    O Passos quando for grande quer ser como o Martim.

  6. Carlos says:

    Então este governo é que é o culpado do desemprego? … O aumento de impostos certamente contribui para o aumento do desemprego, mas o governo sempre quis reduzir despesa, e nunca o conseguiu. Ora, para se controlar o défice, ou se reduz a despesa, ou se aumenta os impostos (já que imprimir dinheiro não podemos, e crédito não há). Os gastos do estado estão a sobrecarregar o sector privado (o desemprego vem do sector privado), já que estes gastos vão ter de ser taxados eventualmente, ao sector privado. Ora, o eventualmente é agora. Mas mesmo assim, há muita gente que não quer que se reduzam os gastos governamentais. E para além disso, o facto do lucro aumentar, faz atrair investimento. É como uma redução no preço dos produtos (como o Pingo Doce já o fez) faz atrair quem os compra. E como a jurista Bárbara Rosa no final diz e muito bem: não conheço nenhuma outra forma de aumentar os salário e dar emprego que não seja atraindo investimento.

    • Não faltou investimento nos últimos trinta anos. Onde é que está o emprego que daria razão à Bárbara Rosa?

      • Carlos says:

        Não faltou investimento público (gastança), isso não faltou.

      • Carlos says:

        O que é prejudicial é o ‘investimento’ público. O que deveria haver era incentivo ao investimento privado (como foi anunciado pelo Gaspar recentemente). Não sei se se lembra, mas o Sócrates ‘investiu’ massivamente na economia para ‘criar empregos’. Veja lá a situação em que nos meteu (para criar 100 mil empregos públicos, deu origem a 500 mil desempregados no privado, isso é que é criar emprego).

      • Agora experimente ver os que já se destruíram do Sócrates para cá. O bloco central tem um belo cadastro nesse capítulo, e não o assumir ainda o coloca pior na fotografia.

  7. Pedro Martins says:

    “Ai e tal, não tinha ninguém com quem debater. Mas sempre que alguém ousar falar, vou usar da velha tática dos ignorantes: falar mais alto e mais rápido! Como os restantes, nitidamente, não são bons oradores, sinto-me a maior. (só me correu mal com o puto)”

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s