E o Sporting aguenta?

O Sporting é um dos poucos (único?) clubes de futebol do mundo que se podem orgulhar de, nos últimos 20 anos, ter formado dois botas de ouro. Mas Figo e Cristiano Ronaldo não são dois oásis no deserto. Só na posição de extremo a formação leonina produziu mais de dez jogadores de classe mundial. Contudo, este feito não se traduziu no domínio das competições internas, bem pelo contrário.

Os melhores foram sempre vendidos à primeira oportunidade para saciar a gula de quem acumula capital com as suas mais-valias. Da fase das presidências populistas – Gonçalves, Cintra ou Santana – o Sporting passou para as mãos da alta finança – provavelmente apenas interrompida no período de Dias da Cunha. Roquette experimentou a austeridade avant la lettre com os resultados desportivos que se conhecem. Já Bettencourt ou Godinho agem como representantes dos credores, mais preocupados com o pagamento da dívida e a venda de activos que com os resultados desportivos.

Neste aspecto, um clube desportivo não funciona de uma forma muito diferente de um país. Sem resultados, por mais austeridade que aplique, continuará a cavar o seu buraco aumentando a dívida. Tal como sucede com os países, a única solução possível é retirar o clube das mãos de quem o está a vampirizar.

Apesar dos obstáculos legais que foram sendo construídos por forma a retirar o poder aos sócios e simpatizantes do clube (onde é que já se viu que o pedido de uma assembleia geral de sócios tenha de ser acompanhado com o pagamento de milhares de euros para o seu funcionamento?), quanto mais cedo os sportinguistas tomarem em mãos o seu clube menos difícil será a sua recuperação desportiva e económica.

Publicado no i

Advertisements

About zenuno

http://despauterio.net
This entry was posted in 5dias and tagged . Bookmark the permalink.

6 Responses to E o Sporting aguenta?

  1. Rafael Ortega says:

    “se podem orgulhar de, nos últimos 20 anos, ter formado dois botas de ouro.”

    O problema é esse, mas não pelo que apresenta.
    O Sporting é um mineiro que olha para a montra de uma joalharia e acha que o diamante que vê está ali graças a ele. O trabalho do joalheiro que cortou e poliu a pedra passa-lhe ao lado.

    O que se passa em relação à formação do Sporting é idêntico. Acham que fizeram o Ronaldo, mas esquecem-se que em Manchester ele jogava todas as semanas num campeonato competitivo, que tinha colegas de classe mundial, e um treinador de topo e melhor do mundo a trabalhar com jovens.
    Achar que o Sporting fez esse jogador é como achar que jogar com o Newcastle é o mesmo que jogar com o Beira-Mar, ter o Giggs e o Scholes na equipa é o mesmo que ter o Pedro Barbosa e o Rochemback, e que o Fernando Santos é igual ao Fergunson.

    À más vendas do Sporting, e consequente caos financeiro, estão muito relacionados com não soltar os jogadores na altura certa, convictos que os farão jogadores de topo com as condições que (não) têm.

    • De says:

      Não tem a ver com o futebol
      As palavras revelam muitas vezes mais do que o esperado.
      Em toda a sua nudez.”…um mineiro que olha para a montra de uma joalharia e acha que o diamante que vê está ali graças a ele. O trabalho do joalheiro que cortou e poliu a pedra passa-lhe ao lado.”
      Sim? Os recursos estilísticos devem ser mais adequados à realidade.
      Sobra muita sobranceria neste desprezo face ao trabalho do mineiro.Mas não só .
      Vai-se ao ponto do invectivar pelo facto do dito coitado poder ter até a ousadia de pensar que a presença do diamante na montra é fruto do seu trabalho.Está-se mesmo a ver que é o que acontece,não é? A realidade mostra que a quem passa ao lado e se esquece de…é quem se apropria da mão-de-obra barata

      “Oh para ali o mineiro com maus fígados a pensar que o cachucho que trago no dedo é fruto do trabalho do malandro”, dirá uma madame qualquer, bem atabafada no seu casaco de vison.

      Ou de como, a pretexto do futebol, se tenta fazer passar muitas outras coisas

      • Rafael Ortega says:

        Homem, um diamante por polir não se distingue de um bocado de vidro fosco.
        O que o torna valioso é o trabalho do joalheiro. Se não percebe isso não sei que lhe dizer.

      • De says:

        Homem.
        Se não percebe o que digo volte por favor à escola.
        Se não tiver alguém a fuçar nas entranhas da terra nem as dondocas nem os artífices obtém nada.
        Com a agravante que a profissão de mineiro reduz sobremaneira a idade média de vida.Sobretudo quando comparada com a das dondocas.

        Quanto à não distinção entre vidro fosco e um diamante…provavelmente deve pensar que os que trabalham nas minas ou em busca de, têm as suas qualificações para o efeito.

  2. Rocha says:

    Como dizia o Bruno Carvalho num outro post estamos a falar de lumpen-burguesia. O que esperar de banqueiros e grandes industriais e latifundiários (numa palavra mafiosos)?

    Esta gente é a razão porque eu odeio o futebol.

    E eu tb já fui sportinguista… agora só as rusgas da judiciária me fazem celebrar esse antro que é o “futebol” “profissional”.

  3. Pedro Marques says:

    Só tenho pena pela situação do clube porque é um dos clubes com melhores resultados na formação de atletas em que modalidade for.

    E agora faço-te uma pergunta, qual foi o Presidente que foi Comunista? O meu pai falou-me, mas como ele já não me pode dizer, pode ser que tu saibas. Abraço e continua aqui a escrever e no i.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s